Isto é resultado da reacção química de um poli-isocianato que juntamente com um poliol, promove um expressivo aumento de tamanho, podendo atingir 30 vezes o seu volume inicial. A maior parte das "bolhas" da espuma (células) permanece fechada e o gás que é libertado na reação, fica preso nestas bolhas, conferindo uma estrutura rígida e leve. Como durante a expansão os reagente ainda estão na fase líquida, o poliuretano adapta-se à superfície do objeto em que está. O poliuretano é muito utilizado na técnica da isolação térmica, preenchimento de superfícies, fabricação de colchões, estofos, patins do tipo “roller blading”, pneus para cadeira de rodas, pranchas e até preservativos.

 

Mais informações sobre esta experiência: ponto ciência

publicado por projecto-ver às 18:06